Início Direito Privado Ato Ilícito

Ato Ilícito

262
0
COMPARTILHAR

Ato Ilícito é todo e qualquer acontecimento da vida relevante para o mundo do Direito que dependa de vontade ou conduta humana e que seja reprimido por lei.

Elementos

Conduta: 

  • Comissiva – o indivíduo atua fazendo algo, tendo ou não a intenção;
  • Omissiva – o indivíduo deixa de fazer algo, independentemente de haver intenção.

Culpa:

A teoria da culpa no Direito Civil divide-se em culpa Contratual e culpa Extracontratual.

A culpa Contratual decorre de inexecução contratual. Ou seja, uma infração a um dever especial estabelecido pela vontade dos contratantes.

A culpa Extracontratual, também chamada de culpa Aquiliana, divide-se do seguinte modo:

  • Negligência – falta da devida diligência;
  • Imprudência – ação precipitada e sem cautela;
  • Imperícia – inaptidão técnica, falta de qualificação.

Dano:

É o prejuízo, ofensa material ou moral, causada por alguém a outrem, detentor de um bem juridicamente protegido. Pode ser classificado em:

  • Dano Patrimonial – efetiva diminuição no patrimônio decorrente do ato ilícito provocado;
    • Dano emergente – é aquele que emerge do fato;
    • Lucro cessante – interrupção de atividade econômica por força do ato lesivo;
    • Perda da chance – perda da oportunidade de um dado benefício.
  • Dano Extrapatrimonial – injusta violação a uma situação jurídica subjetiva protegida pelo ordenamento jurídico.
    • Dano moral – acometido no âmbito psíquico, causando a vítima dor, sofrimento e humilhação.
    • Dano estético –  lesão à beleza física, ou seja, à harmonia das formas.

Nexo causal:

É o vínculo existente entre a conduta do agente e o resultado por ele produzido.

Doutrina

Constitui ato ilícito lato sensu toda ação ou omissão voluntária, culposa ou não, conforme a espécie, praticada por pessoa imputável que, implicando infração de dever absoluto ou relativo, viole direito ou cause prejuízo a outrem.

Em todas as espécies de ato ilícito, portanto, no ato ilícito lato sensu, a contrariedade a direito pode resultar tanto de conduta positiva (ação) como negativa (omissão), dependendo, exclusivamente, da natureza do dever infringido.

A culpa é mencionada pela maioria da doutrina como elemento caracterizador do ilícito. Na verdade, porém, há situações que não são culposas, mas que constituem, inegavelmente, atos ilícitos.

No entanto, o sistema jurídico brasileiro não se cingiu à culpa; adotou o princípio da transubjetividade na responsabilidade civil, em razão do qual se estabelece um nexo entre o fato danoso e o homem, que transcende à pura subjetividade da culpa e não se compraz com a só objetividade do risco: vê-se a contrariedade a direito objetivamente, imputando-a a alguém a ela ligado, em razão de certos pressupostos de natureza subjetiva.

É verdade que, na maioria dos casos, da ilicitude resultam danos e dever de reparação. Nos atos ilícitos stricto sensu definidos no art. 186 do Código Civil, especialmente, porém não essencialmente, menos ainda exclusivamente, é o que em geral ocorre.[1]

[1] MELLO, Marcos de. Teoria do fato jurídico : plano da existência, 20th edição. Saraiva, 12/2013. VitalSource Bookshelf Online.

Legislação

Código Civil: TÍTULO III – Dos Atos Ilícitos  

Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.

Art. 187. Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes.

Art. 188. Não constituem atos ilícitos:

I – os praticados em legítima defesa ou no exercício regular de um direito reconhecido;

II – a deterioração ou destruição da coisa alheia, ou a lesão a pessoa, a fim de remover perigo iminente.

Parágrafo único. No caso do inciso II, o ato será legítimo somente quando as circunstâncias o tornarem absolutamente necessário, não excedendo os limites do indispensável para a remoção do perigo.

 Jurisprudência

EMENTA: REPARAÇÃO CIVIL Conta Corrente Empréstimos objeto de novação Retenção de salário por cinco meses consecutivos Impossibilidade Dano moral configurado Quantum indenizatório fixado em valor condizente com os fatos e com a praxe dessa Corte Ausência de dever de indenizar danos materiais decorrentes do que a devedora chamou de perda de uma chance Determinar que o banco pague as dívidas de reconvinte que não foram pagas em decorrência da retenção salarial não configura determinação lógica Ausência de dano material indenizável Não reconhecimento do imprescindível dolo e má-fé para caracterização do dever de indenizar previsto nos artigos 940 do CC e 42 parágrafo único do CDC Honorários Advocatícios fixados em valor adequado – Sentença mantida Recursos improvidos.

Inteiro teor

EMENTA: Apelação. Ação de Indenização por Danos Materiais, Morais estéticos. Acidente de trânsito. 1. Colisão de veículos. Condutor de caminhão que realiza frenagem brusca seguida de mudança repentina de faixa de rolagem sem a devida sinalização e, ao final da manobra, obstruindo as faixas de rolagem da via. Ocorrência de colisão com motocicleta que trafegava à esquerda do caminhão. Culpa do preposto da apelante devidamente comprovada. Inobservância às disposições do artigo 29, inciso II, e artigo 35 do Código de Trânsito Brasileiro. 2. Danos materiais comprovados. Apelante, que está obrigada a indenizar o apelado pelos desembolsos realizados em decorrência do acidente, nos termos do artigo 949 do Código Civil. Quantificação da indenização diferida para liquidação de sentença. 3. Danos morais devidamente comprovados. Autor foi acometido de lesão grave (fratura exposta no antebraço direito e lesão no joelho direito), submetido à intervenções cirúrgicas, internação e tratamentos, sendo certa a exclusão do autor de suas atividades cotidianas, pois permaneceu incapacitado e submetido a tratamento. Existência, ademais, de sequelas definitivas. Indenização. Quantia fixada deve compensar o dano sofrido e também impor sanção ao infrator, a fim de evitar o cometimento de novos atos ilícitos, com o observância aos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, de modo a impedir enriquecimento ilícito do lesado. 4. Danos estéticos. Inocorrência. Ainda que tenha sido submetido a procedimento cirúrgico e tratamento, não há como apontar que tenha sofrido dano estético passível de indenização, eis que as lesões constadas no laudo dão conta de que o autor possui cicatrizes sem significativa deformidade. Recurso parcialmente provido.

Inteiro teor

   Questões

(V EXAME UNIFICADO – OAB – FGV – 2011) João trafegava com seu veículo com velocidade incompatível para o local e avançou o sinal vermelho. José, que atravessava normalmente na faixa de pedestre, foi atropelado por João, sofrendo vários ferimentos. Para se recuperar, José, trabalhador autônomo, teve que ficar internado por 10 dias, sem possibilidade de trabalhar, além de ter ficado com várias cicatrizes no corpo. Em virtude do ocorrido, José ajuizou ação.

Com base na situação acima, assinale a alternativa correta.

a) José terá direito apenas ao dano moral, em razão do sofrimento, e ao dano estético, em razão das cicatrizes. Quanto ao tempo em que ficou sem trabalhar, isso se traduz em lucros cessantes, que não foram pedidos, não podendo ser concedidos.

b) José não poderá receber a indenização na forma pleiteada, já que o dano moral e o dano estético são inacumuláveis. Assim, terá direito apenas ao dano moral, em razão do sofrimento e das cicatrizes, e ao dano material, em razão do tempo que ficou sem trabalhar;

c) José terá direito a receber a indenização na forma pleiteada: o dano moral em razão das lesões e do sofrimento por ele sentido, o dano material em virtude do tempo que ficou sem trabalhar e o danos estético em razão das cicatrizes com que ficou.

d) José terá direito apenas ao dano moral, já que o tempo que ficou sem trabalhar é considerado lucros cessantes, o que quais não foram expressamente requeridos, e não podem ser concedidos. Quanto ao dano estético, esse é inacumulável com o dano moral, já estando incluído neste.

[showhide type=”q1″]Resposta: c [/showhide]

(VI EXAME UNIFICADO – OAB – FGV – 2012) Mirtes gosta de decorar a janela de sua sala com vasos de plantas. A síndica do prédio em que Mirtes mora já advertiu a moradora do risco de queda dos vasos e de possível dano aos transeuntes e moradores do prédio. Num dia de forte ventania, os vasos de Mirtes caíram sobre os carros estacionados na rua, causando sérios prejuízos.

Nesse caso, é correto afirmar que Mirtes

a) poderá alegar motivo de força maior e não deverá indenizar os lesados.

b) está isenta de responsabilidade, pois não teve a intenção de causar prejuízo.

c) somente deverá indenizar os lesados se tiver agido dolosamente.

d) deverá indenizar os lesados, pois é responsável pelo dano causado.

[showhide type=”q2″]Resposta: d [/showhide]

(VII EXAME UNIFICADO – OAB – FGV – 2012) João dirigia seu veículo respeitando todas as normas de trânsito, com velocidade inferior à permitida para o local, quando um bêbado atravessou a rua, sem observar as condições de tráfego. João não teve condições de frear o veículo ou desviar‐se dele, atingindo‐o e causando‐lhe graves ferimentos.

A partir do caso apresentado, assinale a afirmativa correta

a) Houve responsabilidade civil, devendo João ser considerado culpado por sua conduta.

b) Faltou um dos elementos da responsabilidade civil, qual seja, a conduta humana, não ficando configurada a responsabilidade civil.

c) Inexistiu um dos requisitos essenciais para caracterizar a responsabilidade civil: o dano indenizável e, por isso, não deve ser responsabilizado.

d) Houve rompimento do nexo de causalidade, em razão da conduta da vítima, não restando configurada a responsabilidade civil.

[showhide type=”q3″]Resposta: d [/showhide]

 

Veja mais sobre o Ato Ilícito:

http://fatojuridico.com/videos/elementos-essenciais-ao-ato-ilicito/

COMPARTILHAR
Artigo anteriorFato Jurídico (lato sensu)
Próximo artigoPessoas
mm
Acadêmico de Direito pela Universidade São Judas Tadeu, onde também atua como pesquisador na área de Direito Civil Constitucional. Membro da Comissão de Estudos Permanente de Direito Empresarial pela FecomercioSP, fundador do Centro Acadêmico de Estudo do Direito - CAED, vinculado ao Centro de Direitos Humanos. Pesquisador pelo IBREI - Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Relações Empresariais Internacionais e autor no Fato Jurídico.

Deixe uma resposta